sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Um simples toque

Por Clarissa

dos dedos que tinham que se separar
não mais queriam soltar
não era nossa vontade
por acaso nos esbarramos
nos tocamos
dedos entrelaçados
confusos e inocentes
aflorou a vontade
essa que nasceu do simples toque
____________
3 de setembro de 2009

Eu não gostei desse poema, entretanto achei curioso que ele pode ser lido da forma que você quiser, eu até mudei as frases de ordem e no final ele sempre dizia a mesma coisa. Engraçado também que eu quis usar adjetivos e não consegui, eles me pareceram enrolação. Estou descobrindo o meu estilo, simples e direto, sem ornamentação. Eternizei aqui uma sensação que passou por mim, me enganou e ainda riu da minha cara.

Um comentário:

MisterJaPa disse...

hahaha, muito boa a postagem. =D

legal essa estrutura do poema, que pode ser lido em várias direções.