domingo, 13 de setembro de 2009

Péssimo serviço, AOCP!

Voltei há algumas horas da prova para o INES e fiquei muito descontente com a (des)organização da banca. Se alguém que estava na minha sala pedir para anular o concurso, não tenho dúvidas que terão razões de sobra. A entrada das pessoas atrasou, era muita gente para entrar e uma porta pequena para passar; resolveram abrir a garagem e foi nesse momento que consegui entrar, e já eram quase 8 horas. Quando cheguei na sala, fiquei muito surpresa de ver o saco de provas já aberto e concorrentes furiosos com a chegada daqueles que estavam ainda entrando no prédio.

O fiscal da nossa sala (1201) mostrou-se inexperiente com os procedimentos básicos de qualquer concurso e não sabia exercer seu poder de autoridade, ficou se defendendo, coisa que não existe, já que ele era o responsável. As provas foram distribuídas enquanto as pessoas ainda estavam chegando e deixando que esta fosse folheada – foi só quando um senhor reclamou, que ele pediu desculpas e voltou atrás; um total desorientado.

Fomos avisados que a prova então começaria às 9h e que o tempo passado seria acrescentando ao final. E enquanto esperávamos o início da prova, uma menina que foi ao banheiro nos informou que as pessoas já tinham começado a fazer a prova nas outras salas, algo inconcebível, ou seja, inúmeras brechas para fraude. Nunca vi tanta desordem nesses meus anos todos de concurso, de vestibulares, e duas questões já devem ser anuladas porque vieram com erros de digitação (ex. a,b,b,d,e). Foram 50 questões que nivelam por baixo, fáceis como de uma FCC ou ESAF.

2 comentários:

lunático disse...

Eu também fiz o concurso do ines, ontem à tarde. Eu também estou revoltado, mas é com a prova. Concordo que a entrada foi um caos, algumas pessoas não entraram, só soube pelos gritos que ouvi minutos antes de iniciar a prova. Os fiscais da minha sala pelo menos agiram dentro do protocolo. A questão foi a prova de História, que estava imbecíl. Fácil, mas tão mal escrita, com tantos erros de português que era inacreditável que páginas antes havia uma prova de português. As questões mais dificeis foram as que eu simplesmente não entendia o que estava escrito, ou por falta total de clareza e coerência, ou porque o animal errou feio mesmo, como ao dizer que Adorno era um historiador que criticou o marxismo, o cara era um FILÓSOFO MARXISTA DE CARTEIRINHA. Revolta!

Anônimo disse...

Fiz este mesmo concurso e estava na mesmma bagunça geral.Isso, sem falar na senhora que não parava de reclamar, deixando todos mais nervosos que o normal.Uma bagunça generalizada.