domingo, 1 de maio de 2011

Profusão

Eu até invento bastante do que escrevo, minhas sensações servem de estímulos para criar o que não necessariamente é, mas não consigo deixar de sentir que estou me traindo ao escrever certas coisas. Se bem que nem tem como o outro saber até que ponto é invenção ou não...sou transparente apenas para mim mesma.
.
.
Luto contra meus demônios
que encontram abrigo em mim.
Luto para sair da lama,
batalha difícil –
porque ela acalma o corpo
e me liga à natureza.
.
.
Eu guardo as concessões para aqueles que amo.
Assim os reconheço.
Mas elas são tão inúmeras,
que às vezes nem as reconheço.
Eu queria amar a todos.
.
.
Obrigada álister pelas furadas, elas darão boas histórias para os meus filhos um dia.

3 comentários:

Mr. Anônimo disse...

Assuma sempre que nada é invenção, assim será mais divertido.

Não lute com seus demônios, para que tanta agressividade?
Faça as pazes com eles.
Veja a história de que lembrei com essa conversa:
http://www.theoryofeverythingcomics.com/god/DM/

MisterJaPa disse...

Entendo essa coisa de sentir que está se traindo...

Emerson Leandro disse...

Belo texto moça...obrigado pelas dicas e pela atenção...Emerson